As crianças pequenas, principalmente os meninos, estão sempre em busca de conhecimento do mundo, por meio das mãos e boquinhas. Objetos que despertam interesse pelo tamanho cor ou textura são levados à boca muitas vezes sem que os adultos percebam, causando engasgos e aspiração para as vias aéreas.

Também durante as refeições, a imaturidade da deglutição pode facilitar a entrada de alimentos pequenos nas vias aéreas, causando acessos de tosse que podem se perpetuar por dias, às vezes com crises de asfixia, quadro muitas vezes confundido com coqueluche.

Os objetos mais comuns que as crianças ingerem variam de acordo com a faixa etária, mas em geral são moedas, insetos, botões, grãos crus de arroz e feijão, brinquedos, tampinhas de caneta e pedaços de plásticos.

Dependendo do ponto em que eles se instalam, as complicações podem começar horas depois do acidente e ter conseqüências graves. Por isso, a ida ao pronto-socorro é sempre indispensável.

Se o corpo estranho for redondo, não trará tantos problemas, pois ele é eliminado com mais facilidade. Já os pontiagudos precisam ser tratados com mais urgência. No caso de objetos pontiagudos, a criança corre o risco de ter o estômago e o esôfago perfurados. É perigoso até chegar a perfurar uma veia. De fato, existem mortes de crianças por ingestão de objetos estranhos.

É importante para os pais lembrarem-se da possibilidade de aspiração de corpo estranho, evitando a exposição e o acesso de objetos pequenos às crianças, e pensar nessa possibilidade ao se fazer o diagnóstico de tosse crônica em crianças, especialmente lactentes, pois a remoção do objeto ou alimento aspirado por crianças deve ser feito em centro cirúrgico, por profissional experiente e habilitado, e de forma mais rápida possível para evitar complicações tardias ou até asfixia em algum dos acessos de tosse.

É recomendável que os pais fiquem calmos para poder pensar e agir da melhor forma possível. Não tentem manobras em casa, exceto se a criança apresentar sinais de sufocamento, ficando roxa e não conseguindo respirar. Muitas vezes, os procedimentos de salvamento são mais perigosos do que o corpo estranho e ainda podem fazer com que se perca um tempo precioso.